20170511

Os chineses estão querendo invadir o comércio de grandes aeronaves de passageiros.

Depois de sete anos de desenvolvimento, marcado por repetidos atrasos, novo avião Chinês C919  está pronto para começar a testar no chão os seus aviônicos, controles de voo e sistemas hidráulicos.

Desenvolvido pela estatal chinesa Commercial Aircraft, ele saiu da linha de montagem na fábrica de Xangai e foi apresentado para cerca de 4.000 funcionários do governo, representantes e parceiros estrangeiros do programa. A nova aeronave, prometem teria uma autonomia de pouco mais de 5.555 km e será capaz de acomodar entre 158 e 174 passageiros.


A alta cúpula da Comac acredita que o C919 lhe permitirá desafiar o domínio da Airbus e da Boeing no mercado internacional.  Acreditam que poderão vender cerca de 2.000 unidades do novo modelo ao longo dos próximos 20 anos.
No entanto, muitas dúvidas permanecem sobre se o grupo chinês seria capaz de colocá-lo em produção de maneira a atender a demanda das companhias aéreas que agora também têm a opção de upgrade do novo A320 e do novo Boeing 737 Max. 
O  programa do C919 tem sido afetado por uma série de contratempos, incluindo problemas de tecnologia e de fornecedores, o que levou o seu vôo inaugural originalmente programado para 2014 ser adiado para final de 2015, o que não ocorreu e atualmente esta sem data prevista.

Durante a apresentação da aeronave o presidente da Comac, Jin Zhunaglong se recusou há especificar quanto tempo ainda poderia demorar o vou inaugural. Parceiros estrangeiros do programa disseram  que eles não estão autorizados a comentar sobre o cronograma do programa. No entanto, funcionários da Comac, falando sob condição de anonimato, disseram que eles ainda estão muito longe de ter uma aeronave completa pronta para voar.

Que para os fornecimentos às companhias aéreas, a Comac teria afirmado que a primeira entrega seria em 2018, mas desde então se recusaram a voltar a falar sobre o assunto, porem alguns funcionários do programa disseram que a primeira entrega poderia acontecer até 2020.
Apesar das incertezas, a Comac disse ter acumulado 517 pedidos do C919  e compromissos de 21 clientes, incluindo sete companhias aéreas chinesas, duas estrangeiras e 12 empresas de arrendamento de aeronaves. 


Embora o C919 seja construído na China, há um conteúdo Ocidental significativo na aeronave. Estes incluem o fabricante de motores CFM International (uma joint venture entre a GE Aviation e Snecma), que está fornecendo o seu novo turbofan Leap-1C. Outros sistemas estão sendo fornecidos pela Honeywell, United Technologies subsidiária Goodrich, Rockwell Collins, Liebherr, Zodiac Aerospace, Meggitt, Eaton e Parker Aerospace.

Como se pode constatar nada mais é que uma aeronave de procedência internacional montada na china, que sabe se vai dar certo, só o tempo dirá.

Post (300) - Maio de 2017 (90.000)

Nenhum comentário:

Postar um comentário