20180326

Asas voadoras americanas


Na história da aviação americana, a aeronave tipo asa voadora é mais associada com Jack Northrop e a empresa que ele fundou. Northrop construiu várias aeronaves sem cauda desde o final dos anos 1920 até a década de 1940.
Estas aeronaves pioneiras demonstraram progressivamente a solidez básica do conceito, eliminando o peso, o arraste da fuselagem e da cauda convencional, utilizando uma percentagem muito mais elevada da área da superfície elevadora e de transporte de carga. Talvez influenciado pela promessa de asas voadoras da Northrop, vários outros fabricantes americanos examinaram a viabilidade deste layout, um dos quais foi a Boeing.


O Boeing modelo 306 foi a designação para uma série de aeronaves elaboradas em 1935, que alcançaram nem status de projeto nem de produção. Na época, estudou-se a possibilidade de serem construídos três modelos, sendo: um bombardeiro, um hidroavião e  um de transporte civil.

No entanto, a empresa se afastou dos layouts mais radicais, como os pretendo pela Northrop. 
Em uma entrevista de 1999, vice-presidente da Boeing Jack Steiner, o já aposentado, que trabalhou em aeronaves famosas como o B-17 e Modelo 727, mencionou que a visão consensual da Boeing durante este período foi de que as aeronaves sem cauda sofriam de baixa estabilidade e grande no momento do arremesso, problemas que não eram fáceis de se resolver, tornando-as geralmente inadequadas para bombardeiros e transporte. No entanto, a Boeing não ignorou o conceito inteiramente e continuou os seus estudos.

Em 1935, a Boeing apresentou configurações baseadas vagamente tanto no Boeing XB-15 como  no Boeing 314, ambas aeronaves Clipper experimentais.  Estas variavam em tamanho desde um enorme bombardeiro pesado até uma aeronave diminuta de buscas denominadas de asa voadora. Todos elas se caracterizavam por possuir  extensões  de aileron / elevadores nas asas que poderiam desempenhar a sua função sem perturbar o desempenho do conjunto.  As asas normalmente tinham uma forma varrida de cerca de 35 graus. 
A imaturidade dos projetos é evidente nos desenhos apresentados, que não apresentavam estabilizadores verticais. Os projetos terrestres possuiam como destaque um trem de pouso triciclo um recurso de nova configuração na época. 

Enquanto a Boeing estava trabalhando no XB-15 na década de 1930 que em última instância, levaria ao mais avançado B-17 Flying Fortress e B-29 Superfortress, a empresa estava envolvida em um projeto paralelo secreto para criar um bombardeiro de asa voador que usava alguns dos recursos XB-15, que esperava-se que excedesse o desempenho do XB-15 em todos os aspectos. 
Na sabedoria convencional do dia a dia na Boeing considerava-se que as asas voadoras eram menos estáveis ​​e tinham maia problemas de manipulação do que as aeronaves de disposição convencional. Apesar das atitudes predominantes na empresa na época, ele se envolveu em pesquisas de voadores em 1935,

O Boeing Model 306 foi o maior e mais impressionante dos projetos, com o objetivo de capitalizar as vantagens aerodinâmicas da asa voadora para melhorar o trabalho de design iniciado com o XB-15. Com uma tripulação de 10, o Modelo 306 tinha uma asa varrida de 43 m de envergadura com uma fuselagem com 18 m de comprimento. Quatro motores montados para a frente nas asas, refrigerados a líquido Allison V-1710 de 850 CV de potência. Tendo um layout de trem de pouso totalmente recolhivel, o modelo 306 teria uma autonomia de 8.050 km com uma carga de 2.500 bombas. O armamento defensivo consistiu em uma mistura de armas de calibre 50 e calibre 30.

Dois protótipos foram finalmente criados em segredo sendo concluidos quando a fábrica foi bombardeada pelos japoneses. Conhecido apenas pelos Números
de série 88 e 89, as asas voadoras maciças eram muito parecidas com as baleias em muitos aspectos.
  

Post (348) – Março de 2018

20180215

Aviso