20170922

Britten-Norman Trislander

John Britten e Desmond Norman, fundadores da Britten-Norman iniciaram as atividades da empresa focada no desenvolvimento de equipamentos para pulverização. No início de 1960 eles voltaram sua atenção para design de aeronaves com finalidades de transporte comercial.
BN-2 Islander

Em 1963 o BN-2 Islander (bimotor) foi concebido, este seria o precursor do Trislander.
O projeto Islander foi bem sucedido e a produção começou na Ilha de Wight, no Reino Unido. De muitas maneiras, o Islander poderia ser considerado uma versão de reduzida potência do Twin Otter, possui trem de pouso fixo e foi projetado para operação em áreas remotas. 
Ele foi desenvolvido para ser uma alternativa de baixo custo para os velhos biplanos britânicos DH-89A Dragão Rapide, que em  1937 equipavam numerosas companhias de aviação comercial, entre elas a VARIG, no Brasil, e em 1945 a CTA (Companhia de Transportes Aéreos) em Portugal.
DH-89A Dragão Rapide
O Britten Norman Islander foi um sucesso de fato, foi o melhor avião comercial a venda em sua época na Europa Ocidental.

Trislander seu sucessor, foi uma aeronave civil de 18 assentos, e o que a torna diferenciada é o fato de ser impulsionada por três motores a pistão.  Começou a ser produzida  na Ilha de Wight ao largo de Hapshire no sul da Inglaterra, mais tarde também foram produzidos na Romênia e entregues via Bélgica para certificação na Grã-Bretanha.


Em 11 de Setembro de 1970 o Trislander fez o seu primeiro vôo.

Desenhado por John Britten e Desmond Norman o Trislander é o desenvolvimento mais conhecido da Britten-Norman.
Ele foi derivado do bimotor Islander, tendo sua fuselagem alongada, reforçada, trem de pouso triciclo fixo e um terceiro motor acrescentado na linha central da fuselagem em cima da barbatana. 



O Trislander tem características excepcionais e de manuseio a baixa velocidade, resistência prolongada, aumento da carga útil, baixa assinatura de ruído e custos operacionais econômicos. 
Ainda na euforia do sucesso desta aeronave, chegou-se a pensar em uma maior, com as mesmas configurações motoras, mas esta intenção nunca saiu do papel.


Em Julho de 1971 o primeiro construído entrou em serviço na Aurigny Air Services Limited  baseados em Guernsey. 

Em 1982 a produção inicial cessou após 73 terem sido vendidos e entregues, com mais sete Trislanders não vendidos, quando Pilatus Britten Norman vendeu uma licença de fabricação para a Aviation Corporation Internacional (IAC) da Flórida. A intenção da IAC era de inicialmente construir 12 Trislanders (a serem conhecido como Tri-CommutAir’s) a partir de kits de peças fornecidas pela Britten-Norman antes de empreender a produção plena,, mas esses planos não deram em nada.

Características gerais:

Tripulação: 1 ou 2
Capacidade: 16 a 18 passageiros

Comprimento: 15,01 m
Envergadura: 16,15 m
Altura:  4,32 m
Área da asa:  31,31 m 2 
Tara:  2.650 kg
Max peso descolagem:  4.536 kg
Motorização: 3 × Lycoming O-540-E4C5 arrefecidos a ar  260 cv cada
Hélices: duas pás Hartzell HC-C2YK-2G / C8477-4, de velocidade constante
Velocidade máxima:  290 km / h ao nível do mar
A velocidade de cruzeiro:  249 km / h a 4.000 m
Autonomia:  1.609 km

Leia mais em:


Post (323) - setembro de 2017 

20170906

O gigante Bristol Type 167 Brabazon

Bristol Type 167 Brabazon foi um avião gigante, projetado pela companhia britânica Bristol Aeroplane Company para uso em rotas aéreas transatlânticas entre os Estados Unidos e o Reino Unido.

Seu custo operacional era extremamente alto, resultando em um fracasso comercial, embora suas dimensões fossem comparáveis às do Boeing 747, tinha capacidade para transportar apenas 100 passageiros.

Em 1943, sua história teve inicio quando foi criado pelo governo britânico um comitê, liderado pelo Lord Brabazon de Tara, com a finalidade de avaliar as necessidades do mercado da aviação civil. Este comitê emitiu um memorando, conhecido como ”Brabazon Report”, recomendando a construção de três aeronaves.

Em 1944, a Bristol estava pronta para atender o requerimento do Type 167. Após avaliar o projeto, o Comitê Brabazon autorizou um contrato para a fabricação de dois protótipos.

Em novembro de 1944, o projeto final foi concluído. A grande aeronave teria uma envergadura de 70,1 m (superando em 11 m o Boeing 747) e um comprimento de 53,9 m. O Type 167 seria equipado com oito motores radiais Bristol Centaurus de 18 cilindros,cada, montados aos pares no interior das asas.

Considerando que o conceito de viagem proposto pelo Comitê Brabazon, bem diferente do esperado para uma aeronave deste porte, o Comitê julgou que em viagens transatlânticas seu uso seria desconfortável. Por esta razão a aeronave deveria ser modificada para proporcionar a cada passageiro o conforto comparável ao de um transatlântico. 

Para atender estas novas especificações, a fuselagem deveria passar a ter 7,6 m de diâmetro (1,5 m maior que a do Boeing 747). 

Internamente haveria dois andares para uso dos passageiros, com 80 leitos fechados em cabines de 6m2, restaurante, sala de cinema e bar.


Em outubro de 1945, a construção teve início e se transformando em um enorme desafio devido às suas grandes dimensões. Também se constatou que não havia hangares e pistas de pouso capazes de comportar o Type 167, as pistas disponíveis eram de 610m, não suficientemente para a sua decolagem, sendo necessário construir uma pista de pelo menos 2.440m

Em 1946, foi decidido que o segundo protótipo deveria utilizar os turbo - propulsores BristolCoupled Proteus no lugar dos menos potentes motores radiais Centaurus, aumentando assim sua velocidade de cruzeiro de 420 para 530 km/h e reduzindo seu peso em cerca de 4.500 Kg, sendo então a aeronave capaz de cruzar o Atlântico em apenas 12 horas.

Em 4 de setembro de 1949, o Type 167 Mk.I, G-AGPW, realizou seu primeiro vôo.

Em 1952, após ter consumido 3,4 milhões de libras em seu desenvolvimento (equivalente hoje a 53,4 milhões) o projeto foi suspenso.

Em outubro de 1953 a aeronave foi desmantelada, tendo realizado apenas 400 horas de vôo. Partes da aeronave estão expostas no Bristol Industrial Museum e no Museum of Flight da Escócia.

Características principais:

Tripulação: 6 a 12
Capacidade: 100 passageiros 
Comprimento: 54,0 m
Envergadura:  70 m
Altura:  15 m
Área de asa: 494,0 m²
Peso vazio: 65.820 kg
Peso máximo na decolagem :  130.000 kg
Capacidade de combustível: 61.971 litros
Propulsores: 8 × Bristol Centaurus motores radiais , 2650 HP cada
Hélices: 2x três pás com 4,9 m de diâmetro
Velocidade máxima: 480 km / h
Velocidade de cruzeiro: 400 km / h) a 25.000 pés
Autonomia: 8.900 km
Teto de serviço:  7.600 m com carga total

Leia mais em:

Post (322) - setembro de 2017