20180112

Short Mayo Composite

O Short Mayo Composite foi um hidroavião combinado produzido por Short Brothers  para fornecer um serviço de transporte aéreo confiável de longo alcance para a América do Norte  e para outros lugares distantes do Império Britânico. Destinava-se a concorrer na época com os dirigíveis que eram muito caros e lentos, desenvolvido durante a intensa competição que começou no início dos anos 1930. 



Os Short Brothers eram construtores de hidroaviões  capazes de operar em rotas de longo alcance em todo o Império Britânico  mas só podiam tentar a rota transatlântica substituindo o espaço destinado ao transporte de correio ou passageiro e por combustível extra.

No caso dos aviões do final da década de 1930 já se sabia que as aeronaves poderiam manter o vôo com uma carga útil maior do que a possível durante a decolagem. O Major Robert H. Mayo, Gerente Geral Técnico da Imperial AirWays,  propôs montar um hidroavião pequeno e de longo alcance em cima de uma aeronave transportadora maior, usando o poder combinado de ambos para levar a aeronave à altura operacional, altura em que o duas aeronaves se separariam, uma aeronave voltava para a base enquanto a outra continuava voando para o destino.

Várias soluções foram propostas e o Ministério Britânico do Ar emitiu a especificação 13/33 para o projeto apresentado por Mayo e Shorts, que com a colaboração do designer-chefe Arthur Gouge, resultou no Short S.21 Mayo,  equipado com um cavalete ou pilão na parte superior da fuselagem para apoiar o Short S.20 Mercury. 


Os dois voariam acoplados até atingir atitude de cruzeiro, sendo o Mercury carregado de carga e/ou passageiros. Na altitude correta, e na distância máxima possível os pilotos acionariam alavancas, os aviões se separariam. O Maia voltaria para a Inglaterra, enquanto que o Mercury S.20 seguiria para os EUA.

Embora semelhante ao hidroavião original, o Mayo para esta finalidade sofreu modificações no casco; superfícies de controle maiores; um aumento na área total da asa de 140 m2 para 163 m2 ; os motores foram montados mais longe da raiz da asa para desviar dos flutuadores da Mercury  entre outras.

Em 27 de julho de 1937 o Mayo voou pela primeira vez sem o Mercury acoplado.


O componente superior da combinação, o Mercury , era um hidroavião quadrimotor tripulado por um único piloto e um navegador. Os controles de vôo, com exceção das abas do elevador e do controle do leme, permaneciam bloqueados em ponto morto até a separação. 

Em 5 de setembro de 1937 ocorreu o primeiro vôo do Mercury.
Em 6 de fevereiro de 1938 após um vôo combinado ocorreu à primeira separação bem sucedida em vôo foi realizado perto de Rochester, Medway. 
Em 21 de julho de 1938, após uma sequência de testes bem sucedidos, aconteceu o primeiro voo transatlântico de Foynes, no estuário de Shannon Foynes  na costa oeste da Irlanda, até Boucherville, perto de Montreal, Quebec no Canadá. Foi o primeiro vôo comercial transatlântico sem escalas de uma aeronave mais pesada que o ar. O Mercury separou-se de seu transportador às 8 horas para continuar o que seria o primeiro vôo comercial  transatlântico. Esta viagem de 4.714,40 km levou 20 horas 21 min. a uma velocidade média 232 km / h.

Em dezembro de 1938 o Composte Mayo/Mercury  a serviço da Imperial Airways  voou para a Alexandria, no Egito.
Entre 6 e 8 de outubro de 1938, após as modificações para ampliar a autonomia do Mercury  este estabeleceu um vôo recorde para um hidroavião, voando 9.726,40 km de Dundee na Escócia para Alexander Bay na África do Sul.

Apenas um exemplar do composto Short-Mayo foi construído. O desenvolvimento de uma aeronave mais poderosa e de maior alcance, o  Short S.26, com capacidade maior de carga, o desenvolvimento do reabastecimento em pleno voo e o inicio da Segunda Guerra Mundial combinados para tornam o Composite obsoleto.


Em 11 de maio de 1941 o único Mayo construído foi destruído no porto de Poole  por bombardeiros alemães.  Sobrou o Mercury que foi levado para Felixstowe  para o uso do Esquadrão 320 da RFA na Holanda.
Em 9 de agosto de 1941 quando este esquadrão foi re-equipado com os Lockheed Hudsons o  Mercury foi devolvido ao Shorts em Rochester  e desmontado para que seu alumínio  pudesse ser reciclado para uso no esforço de guerra.

Características gerais Mercury S.20:

Tripulação: 2 (piloto e navegador / operador de rádio)
Carga útil: 454 kg
Comprimento: 15,5
Envergadura: 22,3 m
Altura: 6,17 m
Área da asa: 56,8 m²
Peso vazio: 4.610 kg
Peso carregado: 12.156 kg
Máx. Peso de decolagem: 7.030 kg
Motores: 4 × Napier Rapier VI Motores de pistão "H-block" de 16 cilindros, 365 HP
Peso de lançamento composto normal: 9.835 kg
Peso de lançamento composto gravado : 12.156 kg
Velocidade máxima: 341 km / h
Velocidade do cruzeiro: 314 km / h
Autonomia: 6.275 km

Autonomia ampliada: 9.815km /h

Características gerais Mayo S.21:

Tripulação: 3 (piloto / co-piloto navegador / operador de rádio)
Comprimento: 25,9 m
Envergadura: 34,7 m
Altura: 9,94 m
Área da asa: 163 m2
Peso vazio : 11.224 kg
Peso carregado: 17.237 kg
Motores: 4 × Motor radial Bristol Pegasus XC, 919 HP cada
Peso de decolagem (composto): 12.564 kg
Velocidade máxima: 322 km / h
Autonomia: 1.368 km
Teto de serviço:  6.100 m


Veja também este vídeo: https://youtu.be/bYtazEBQ1K8

Post (341) – Janeiro de 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário