20180116

Bombardeiro Martin B-57 Canberra

O Martin B-57 Canberra foi o primeiro bombardeiro a jato bimotor construído nos Estados Unidos da America (EUA), também o primeiro avião bombardeiro e de reconhecimento estratégico de alta altitude a entrar a serviço da USAF em 1953, e o primeiro avião a jato norte-americano a lançar bombas em combate.


Tratava-se de uma versão do bombardeiro inglês English Electric Canberra construído sob licença pela Glenn L. Martin Company, e que posteriormente seria objeto de várias modificações destinadas a diferentes funções.

Originou-se em um estudo da USAF de dezembro de 1952 financiado pelo Wright Air Development Center para uma aeronave de reconhecimento especial turbojet  com autonomia de 3.700 km que poderia operar em altitudes 20.000 m.
O design básico do B-57 Canberra foi utilizado como ponto de partida para o modelo, ao qual foram incorporadas várias mudanças significativas. Sendo uma das principais o aumento das dimensões das asas, tanto na largura  que combinada com o aumento do comprimento deu a ele uma capacidade de elevação muito alta.


Como bombardeiro tácito foi retirado de serviços em 1983, mas o derivado de reconhecimento WB-57F foram ainda usados no Afeganistão como parte do sistema de comunicações das forças americanas e três dessas aeronaves são usadas pelo  Centro Espacial Johnson da NASA, em Houston, como aeronave investigação científica, de alta altitude.

Resumindo, resultou em sendo uma aeronave com características excepcionais.

Leia mais em: https://en.wikipedia.org/wiki/Martin_RB-57D_Canberra

Características principais:

Ano
1953
Pais de Origem
EUA
Função
Bombardeiro
Variante
B-57B
Tripulação
2
Motor
Peso (Kg)
Vazio
12285
Máximo
18300

Dimensões (m)
Comprimento
20,00
Envergadura
19,50
Altura
4,52

Desempenho (Km)
Velocidade Máxima
960
Teto Máximo
13745
Raio de ação
1530
Armamento
4× canhões M39 de 20mm com290 tiros por arma;
Até 2000 Kg de bombas na baía interna (incluindo nucleares);
Até 1300 Kg de munições em 4 suportes externos nas asas

Post (342) – Janeiro de 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário