20180202

Dornier Do 335 Pfeil

O Dornier Do 335 Pfeil ("Flecha") foi um lutador pesado da Segunda Guerra Mundial  construído pela empresa Dornier. 
O seu desempenho  era muito superior aos outros bimotores de sua época, devido ao seu layout  ‘push-pull’  com muito menor arrasto aerodinâmico devido a seus dois motores montados em linha. 
Além disso, uma única falha do motor não o levaria a um impulso assimétrico resultando nesta situação uma aeronave fácil de se manusear.


Foi o avião com motor de pistão mais rápido da Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.  A Luftwaffe  estava apressada para colocá-lo em uso operacional, mas devido os atrasos no fornecimento dos motores, apenas poucas unidades foram entregue antes da guerra terminar.
As origens do Do 335 remontam à Primeira Guerra Mundial quando Calude Dornier  projetou uma série de hidroaviões  com motores em tandem,  incluindo o de grande sucesso Do J Wal (1)  e o gigantesco Do X (2) , que já contavam com movimentação remota do passo das hélices, destinada a eliminar o arrasto parasítico  de um motor desligado.

Foi projetado com a cauda provida de um total de quatro superfícies em forma de cruz, sendo que a parte vertical inferior destinava-se a protege a hélice empurradora de encostar na terra acidentalmente durante a decolagem. 
Devido à presença da hélice do motor empurrador traseiro o projeto exigiu a provisão de um assento ejetor especial para o piloto escapar com segurança de uma aeronave danificada, ocasião em que a hélice traseira e a aleta dorsal superior seriam expelidas de suas fixações com explosivos evitando assim o choque com o piloto ejetado.


Em 1939, Dornier iniciou o projeto desta aeronave que então era denonimada de bombardeio  P.59.
Em 1940, foi construída uma aeronave para testes, com a modelagem da estrutura semelhante a do bombardeiro Dornier Do 17 , mas com apenas 40% do seu tamanho e equipada com um trem triciclo retrátil destinado a validar o conceito de hélice empurradora, contava ainda com o motor traseiro localizado na área central da fuselagem e usava um eixo de transmissão tubular longo para o acionamento da hélice. 
Esta aeronave, não apresentou problemas significativos, mesmo assim os trabalhos na P.59 foram interrompidos logo em seguida, quando Hermann Göring  determinou o cancelamento projeto em andamento, reformulando as suas especificações.

Em maio de 1942, a Dornier apresentou uma versão atualizada do bombardeiro para 1.000 kg de carga, com assento único, recebendo então um contrato de desenvolvimento denominado Do 335, que foi selecionado como o vencedor depois de vencer os seus rivais Arado, Junkers, e Brohm & Voss. 
Em outono de 1942, Dornier foi informado de que o Do 335 não era mais necessário, e em vez disso um multi lurador  baseado no mesmo layout geral seria aceito. Isso atrasou o projeto.
Em 26 de outubro de 1943 o primeiro protótipo da nova versão Do 335 V1 voou. No entanto, vários problemas durante o vôo inicial do Do 335 continuariam a flagelar a aeronave durante a maior parte da sua curta história. Foram encontrados problemas com o trem de pouso fraco e com as portas do poço da roda, que foram removidas pelo restante dos vôos de testes. 
Em 31 de dezembro de 1943 o protótipo V2 fez seu primeiro vôo, equipado com motores DB 603A-2, e vários aprimoramentos aprendidos com os vôos de teste do V1.
Em 20 de janeiro de 1944, o Do 335 V3 completo voou pela primeira vez. Era impulsionado pelos novos motores de pré-produção DB 603G-0 que poderiam produzir 1.726 HP na decolagem. 

A essas alturas, mais de 60 horas de testes, o Do 335 cujos relatórios provaram que ele tinha um bom manuseio, era  muito rápido seguro em velocidade e altitude como o P-38e  sem  sofrer problemas de confiabilidade do motor.
Ainda em janeiro, a RLM encomendou mais cinco protótipos (V21-V25), a serem construídos como lutadores noturnos. 

Em março de 1946 foi programado o inicio da construção em massa do Do 335, com uma ordem inicial de 120 aeronaves a serem fabricadas pela DWF (Dornier-Werke Friedrichshafen). Neste mesmo tempo, DWM (Dornier-Werke München) estava se programado para construir mais de 2000 Do 335 em vários modelos.
Em 23 de maio de 1944, a Alemanha como parte da diretriz de desenvolvimento ‘Jägernotprogramm’  ordenou a máxima prioridade para a produção do Do 335. 

Logo a seguir a sua principal linha de produção localizada em Manzell, sofreu um ataque de bombardeiros aliados que obrigou a Dornier a montar uma nova linha em Oberpfaffenhofen. 
Esta decisão, juntamente com o rápido encerramento de muitos outros programas em desenvolvimento de aeronaves militares, houve o cancelamento do Lutador noturno Heinkel He 219 , que também usava os motores DB 603 e usava as mesmas instalações de produção para o Do 335. No entanto, Ernst Heinkel conseguiu atrasar e ignorar esta implementação, continuando a produzir alguns exemplares do He 219A.

Em julho de 1944, pelo menos 16 Do 335 da primeira pré-produção foram construídos e entregues para testes. No final de 1944, o Do 335 A-1 estava na linha de produção. Era semelhante ao A-0, mas com os motores DB 603 E-1 atualizados e dois pontos rígidos  inferiores para bombas  ou tanques adicionais. Tinha uma velocidade máxima de 763 km / h a 6.500 m.
Em janeiro de 1945 começou a entrega para o serviço. Seguindo-se a invasão a fábrica de Oberpfaffenhofen pelo Exercito Aliado no final de abril de 1945, com apenas 11 335 A-1 e dois de  treinamento Do 335 A-12 completados.


No início de abril de 1945 o francês Pierre Clostermann reivindicou o primeiro encontro de combate aliado com um Pfeil. Quando ele voava com um Hawker Tempests do sobre o norte da Alemanha, avistou um solitário Do 335 voando a velocidade máxima ao nível das copas das árvores . Detectando a aeronave britânica, o piloto alemão reverteu o curso para se evadir. Apesar da velocidade considerável em baixa altitude do Tempests, o poloto da Royal Air Force não conseguiu alcançá-lo ou mesmo entrar em posição de tiro.

Em 22 de abril de 1945 O Do 335 A-0, o único sobrevivente que ainda restava,  foi capturada pelas forças aliadas na fábrica em Oberpfaffenhofen, na Bavieira  e levado no início de 1946 para ser usado em testes de avaliação em um programa da USAAF em Maryland . Após estes testes entre 1945 a 1948, a aeronave foi armazenada na Naval Air Station Norfolk. 

Em 1961, foi doada ao Museu Nacional de Ar do Smithsonian. 
Em outubro de 1974 foi devolvido à fábrica de Dornier em Oberpfaffenhofen, na Alemanha para uma restauração completa.
Em 1975, a aeronave foi restaurada pelos funcionários da Dornier, muitos dos quais haviam trabalhado no avião originalmente. Eles ficaram maravilhados com o fato de que as cargas explosivas incorporadas à aeronave para expulsar a barbatana dorsal e da hélice traseira antes da ejeção do piloto ainda estavam instaladas e ativas 30 anos depois. 



De 1 a 9 de maio de 1976,  após a restaurado, o Do 335 foi exibido no Hannoner Airshow na Alemanha.  Atualmente ele pode ser visto no Centro Steven F. Udvar-Hazy  do Museu Nacional do Ar e do Espaço ao lado de outros aviões alemães, como o único exemplo conhecido do bombardeiro Arado Ar 234 B-2 Blitz Jet e as superfícies da fuselagem e da cauda do único Henkel He 219  sobrevivente ainda em fase de restauração.

Características gerais:
Tripulação: 1 piloto
Comprimento: 13,85 m
Envergadura: 13,8 m
Altura: 4,55 m
Área da asa: 38,5 m²
Peso vazio: 7.400 kg
Peso máximo na decolagem: 9.600 kg
Motores: 2 × Daimler-Benz DB 603 A com 12 cilindros invertidos, 1.726 HP cada
Velocidade máxima: 765 km / h
Teto de serviço: 11.400 m

Post (343) – Fevereiro de 2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário