20170703

NASA testa sistema de asa para reduzir arrasto

 A Boeing vai apresentar asas com pontas dobráveis para aviação comercial quando o avião 777X entrar em serviço no final de 2019.
Estes dispositivos poderão se tornar comuns no futuro das aeronaves, aumentando a sua envergadura em um esforço para reduzir o arrasto e queima de combustível.

O 777X tem quase 7,30 m a mais de envergadura do que o 777 devendo neste caso aperfeiçoar a distribuição de pés nas decolagens e maximizar a eficiência de cruzeiro. Por outro lado, dobrar as pontas das asas no chão mantém as aeronaves maiores compatível com restrições de tamanho das pistas de taxiamento e portões existentes. 

Mas a NASA  está investigando se também a dobra da asa durante o voo poderia ainda adicionalmente economizar mais combustível.
O conceito spanwise Adaptive Wing (SAW) será testado no solo e em voo em uma avaliação de viabilidade rápida sob o comando da NASA, o  novo projeto enquadra-se no programa de soluções convergentes da Aeronáutica. O objetivo é mostrar que dobrando as seções da extremidade da asa para cima ou para baixo pode aumentar a estabilidade e o controle de guinada, reduzir o tamanho do leme, podendo melhorar sustentação e arrasto em transportes supersônicos, aumentando a estabilidade, a capacidade de controle, e elevador de compressão da asa. Isso já foi testado na década de 1960 no bombardeiro XB-70 Valkyrie.

A chave para o conceito SAW são os avanços que permitem produzir atuadores compactos o suficiente para permitirem que o mecanismo de dobragem seja acomodado no interior da secção fina da ponta da asa, de modo de não precisar modificar a sua espessura o que ocasionaria um aumento do arrasto, diz Matt Moholt, NASA investigador principal.

Leia mais em:


Post (310) - Junho de 2017 (96.070)

Nenhum comentário:

Postar um comentário